“NOVO” ENEM/SISU: DEMAGOGIA E EXCLUSÃO

Por Ricardo Malagoli, da comissão executiva estadual da ANEL Minas Gerais (Assembleia Nacional dos Estudantes – Livre) e do “Coletivo Pagas” de resistência estudantil em faculdades particulares. 

Uma nova prova com uma velha função: nos negar o direito de estudar.

 

O Governo Lula e sua fiel mascote, a direção majoritária da União Nacional dos Estudantes (UNE), diz aos quatro cantos do país que o novo Enem é “fim do vestibular” ou a tardia “democratização do ensino”. É verdade que o formato da prova é diferente. Mas o seu objetivo é tão elitista e meritocrático quanto o do mais tradicional dos vestibulares. Trata-se apenas de uma nova navalha para continuar cortando do acesso ao ensino superior o maior número de estudantes possível. E, como acontece com todos os programas do governo para a educação, o novo ENEM tem sido implementado pelas reitorias sem qualquer tipo de discussão democrática sobre o assunto. Recentemente, na UFMG, quase dois mil protestaram no prédio da reitoria contra a adesão da faculdade ao novo modelo de prova. Suas reivindicações foram absolutamente ignoradas. 

UFMG: 2 mil estudantes lenvantam voz contra o novo ENEM

 

Segundo os governistas, uma prova de caráter nacional é uma “grande vitória para os estudantes de baixa renda” que agora “poderão competir por vagas em todo o território brasileiro sem sair do seu próprio estado”. E, para eles, é possível que os estudantes mais massacrados pelas desigualdades sociais do nosso país consigam a proeza de conquistar uma vaga sem nunca ter passado por uma educação básica de qualidade e sem contar com qualquer espécie de assistência estudantil. 

As vagas de todas as universidades do país serão disputadas entre todos os estudantes país. Isso não muda em nada o fato de que vencem os que têm melhores condições socioeconômicas. Perto ou longe de casa, está garantido o acesso ao ensino superior público somente àqueles que podem pagar pelo ensino médio privado e também pelo deslocamento e custeio dos estudos em outra cidade. Para quem estudou na escola pública ou não tem condições de se manter longe da família, absolutamente nada mudou. 

O livre ingresso à universidade e o investimento de 10% do PIB  na educação pública são as verdadeiras bandeiras do movimento estudantil! São as únicas que permitirão aos estudantes brasileiros ter seu direito de estudar garantido pelo Estado!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: