RELATORIA DA ÚLTIMA REUNIÃO DO COLETIVO PAGAS REALIZADA EM 27/02/2010

PRESENTES:

Hernane (Serviço Social UNA), Cairo (Ciências Sociais PUC-COREU), Helena (Pedagogia UFMG), Luis (Arquitetura PUC-COREU), Felipe (Ciências Sociais UNICAMP), Michele (Serviço Social UNA), Rayane (Comunicação Integrada PUC-SG), Israel “Xandin” (Comunicação Integrada PUC-SG), Luiza (Comunicação Integrada PUC-SG), Diego (Comunicação Integrada PUC-SG), Ricardo (Jornalismo NEWTON PAIVA).

 

PAUTA:

1 – Rodada de informes sobre e situação em cada universidade;

2 – Campanha de Solidariedade de classe ao povo do Haiti;

3 – Participação do Coletivo nos atos do Dia Mundial de Luta das Mulheres (8 de Março);

4 – Agendamento da próxima e união e produção de Jornal;

5 – Informes variados.

 

DISCUSSÕES E ENCAMINHAMENTOS:

1 – Rodada de informes sobre e situação em cada universidade;

PUC CORAÇÃO EUCARÍSTICO – Com a chamada “departamentalização”, cursos foram remanejados de instituto sem consulta prévia à comunidade acadêmica e sem planejamento de estrutura. O problema se deu, pelas palavras da pró-reitoria de infra-estrutura, por necessidade de corte de gastos. O DCE e a UNE não tomaram iniciativas quanto a isso, foram complacentes. Além disso, 48 professores foram demitidos, segundo a reitoria, por exigências do MEC e outros tiveram sua carga horária reduzida drasticamente. A situação lembra o ocorrido na PUC-SP, porém em menor intensidade. Os estudantes de Serviço Social realizaram assembléias para discutir o assunto e a ANEL fez uma denúncia nacional do problema.

UNA – Serviço Social e outros cursos sofreram mudança de curricular, tornando o ensino modulado. Isso tem gerado problemas aos alunos fatoriais. Com a modulação, horários de aula vagos contam como aula normal e são cobrados nas mensalidades. O estágio só passa a valer a ser creditado pela instituição a partir do 5° período; antes era a partir do 4° e já era ruim. O acervo da biblioteca e a infra-estrutura das salas são muito precários.

NEWTON PAIVA – O currículo de Jornalismo, bem como de vários outros cursos, foi alterado no ano passado e está muito mais tecnicista. Ao todo, mais de mil disciplinas foram excluídas do currículo ou viraram optativas, sendo cursadas por ensino a distância. A cota de impressões dos alunos e professores que era de 30 folhas passou pra 20, e pretendem diminuir até que acabe por completo. Alunas gestantes pagam taxas de serviço por atendimento especial e inúmeras taxas passaram a ser cobradas nas secretarias, como por exemplo, pedido de revisão de nota das provas que agora custa a bagatela de 50 reais. É preciso mobilização conjunta dos estudantes de faculdades particulares, pois passamos pelos mesmos problemas.

PUC SÃO GABRIEL – Recentemente, o D. A. de Letras teve sua sede invadida e seus pertencer roubados por estudantes do D. A. de Administração. Uma parede foi derrubada para unir a sala ao espaço que no passado pertenceu ao D. A. de Ciências Sociais (curso remanejado para outro campi). Essa mudança foi feita sem discussão prévia no conselho de D. A.s e a pró-reitoria acadêmica, mesmo sabendo previamente de tudo o que aconteceu, se omitiu completamente perante o problema, sendo conivente com a arbitrariedade. Por traz dessa manobra está o DCE, ligado à UNE e à partidos corruptos como PSB, PCdoB e PT. Foi proposto que os alunos de letras da PUC São Gabriel façam uma denúncia nacional sobre o problema por meio da ANEL.

 

2 – Campanha de Solidariedade de classe ao povo do Haiti;

Não se pode explicar toda a tragédia ocorrida no Haiti apenas com base no terremoto. Mesmo com um desastre dessa magnitude, não era necessário que cem mil pessoas morressem. O mesmo não aconteceria em países que vivem outra realidade social, como os EUA, o Japão etc. A real explicação dessa tragédia é a exploração capitalista selvagem que devasta o país. Os EUA controlam a economia do Haiti há quase 200 anos, através de inúmeras ditaduras (como a dos Papa Doc) e de governos “democráticos” burgueses. O salário mínimo no Haiti é de 120 gourdes na indústria têxtil (pouco mais de cem reais mensais). O desemprego gira em torno de 70-80% e pressiona os trabalhadores a aceitarem essa miséria. Grandes empresas têxteis norte-americanas pagam salários mais baixos que os dos chineses, como a Levi’s e a Gap. Para essas empresas, a miséria haitiana é uma grande fonte de lucros. As tropas da ONU que invadiram o país sob comando do exército brasileiro nunca cumpriram um papel humanitário como informa a imprensa burguesa. As condições de vida dos haitianos não melhoraram em nada com a atuação das tropas. O que as elas fazem, na verdade, é garantir a ordem pública e a defesa da propriedade privada para que a exploração do país pelas multinacionais não enfrente resistência popular. Foi encaminhado que o Coletivo Pagas se some à campanha de solidariedade classista da ANEL, exigindo a retiradas das tropas de ocupação brasileiras e internacionais realizando campanhas financeiras, palestras e atos políticos para ajudar os trabalhadores daquele país. A primeira atividade do Coletivo Pagas para colaborar com a campanha será na PUC Coreu, no próximo dia 9 de março e contará com a presença de Otávio Calegari Jorge, estudante da UNICAMP e membro da ANEL, que estava no Haiti no momento do terremoto.

 

3 – Participação do Coletivo nos atos do Dia Mundial de Luta das Mulheres (8 de Março);

O Movimento Mulheres em Luta, ligado à Conlutas, no dia 8 de Março realizará, em conjunto com outras entidades feministas, um ato público pelo Dia Internacional de Luta das Mulheres Trabalhadoras. Foi encaminhado que os ativistas do Coletivo Pagas participem do ato e busquem promover no futuro atividades sobre as opressões machista, racista e homofóbica nas suas universidades.

 

4 – Agendamento da próxima e união e produção de Jornal;

Ficou definido que a próxima reunião do Coletivo será no dia 13 de março, na sede da Conlutas-MG, porém em novo horário: 15h. As reuniões itinerantes nas universidades serão aquelas com caráter de apresentação do Coletivo. Quanto ao jornal, ficou definido que ele passará a ser produzido após a realização do Seminário Programático do Coletivo.

 

5 – Informes variados.

A Conlutas (Coordenação Nacional de Lutas), uma central sindical que reúne entidades dos movimentos sindical, popular, estudantil e de combate às opressões, poderá em junho deste ano, no Congresso Nacional da Classe Trabalhadora (CONCLAT), fundir-se com outras organizações dos trabalhadores brasileiros, como a Intersindical, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), o Movimento Terra,Trabalho e Liberdade (MTL), a Pastoral Operária de SP e o Movimento Avançando Sindical (MAS). Isso concretizará uma etapa importante da reorganização dos trabalhadores brasileiros por fora das centrais sindicais cooptadas pelo governo e pela burguesia, como a CUT, CTB e a Força Sindical. Foi proposto os que ativistas do Coletivo que tiverem interesse participem do congresso como observadores.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: